terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Drogas Lícitas e Ilícitas

Tema polêmico à vista! 

É o que quem começar a ler pelo título pensará assim que o ler. Talvez esse texto fosse melhor escrito se o fosse por algum pesquisador científico e não por um mero mortal que buscou as informações onde os meros mortais buscam: Wikipédia e Google
É complicado se pensar num debate sobre o assunto de qual traz em maior ou menor quantidade malefícios à saúde humana e ainda em se tratando dos Inalantes, ativa ou passivamente, pois para se defender uma droga ilícita a pessoa precisa ser pesquisadora ou usuária. Se não for nenhum dos dois não tem experiência para fazê-lo. Só que isso é uma conclusão errada. Você não estava em 22 de abril de 1500 esperando as caravelas de Pedro Álvares Cabral no litoral para saber que ele "descobriu" o Brasil exatamente neste dia, ou que através de suas próprias experiências descobriu ser a Terra que gira em torno ao Sol. Isso você aprende através das pesquisas de outras pessoas.
Meu intuito com esse post não é fazer apologia às drogas e sim fazer com que cada um pense por si mesmo nos malefícios que cada uma pode causar e o que leva algumas a serem proibidas e outras consumidas livremente: O poderio financeiro de uma indústria organizada!!!

Notícia publicada pelo jornal Valor Econômico (12 a 16 de fevereiro de 2010) sob o título “É proibido fumar, mas Souza Cruz comemora melhor ano da história), informa que a líder deste mercado (que dialoga com a morte o tempo todo) conseguiu fechar o ano passado com o maior lucro da história, algo em torno de R$1,48 bilhão, com aumento de 19% sobre o ano anterior.
Isso significa que, apesar das restrições, as estratégias utilizadas pela indústria do tabaco têm conseguido fazer aumentar os seus lucros, o que, trocado em miúdos, representa ameaça maior à saúde dos brasileiros. Mais gente estará morrendo em 2010 (o fumo mata milhões de pessoas todos os anos no mundo e centenas de milhares apenas no Brasil) e o sistema de saúde (logo, todos nós) acabará pagando a conta do marketing agressivo do setor.

Sobre as cervejarias, coloco o seguinte trecho retirado do site: http://opiniaoenoticia.com.br/economia/negocios/mudancas-no-mundo-da-cerveja/
 Até recentemente, grandes cervejarias tentaram compensar as vendas decadentes nos países ricos, apostando em outros mercados. Na década passada, elas compraram ou se fundiram com cervejarias locais, ganhando acesso às suas importantes cadeias de distribuição. Uma fusão de US$ 52 bilhões entre a Anheuser-Busch, a produtora norte-americana da Budweiser, e a InBev, uma companhia belga-brasileira, economizou uma fortuna. Cortes de custos por meio de fusões aumentarão os lucros das cervejarias globais em US$ 3 bilhões até 2012, estima o banco Credit Suisse.

Segue abaixo os efeitos da Maconha, do Cigarro e do Álcool em nosso organismo. Com isso pensem o que quiser sobre o que faz uma determinada droga ser ou não liberada para consumo.

Efeitos fisiológicos típicos

[editar]Positivos

A maconha é um remédio leve e de toxicidade aguda baixa. Há relatos de sucesso no tratamento de depressão e insônia, casos em que os remédios disponíveis no mercado, embora sejam mais eficientes, são também bem mais agressivos e têm maior potencial de dependência.[3] Alguns efeitos podem incluir, euforia leve, sensação de bem-estar, relaxamento e redução de estresse, letargia, introspecção[carece de fontes], aumento da percepção sensorial tátil, aumento da libido.[carece de fontes]
Pesquisas recentes, comprovam que o THC, principal componente psicoativo da Cannabis, destrói células cancerígenas, o THC induz as células cancerígenas a produzirem uma substância gordurosa chamada "ceramida", a qual faz com que a célula cancerosa "devore a si mesma". Outro experimento atestou que o vírus SIV, variante do HIV em macacos, teve seu avanço freado, sua carga viral e replicação reduzidas, a provável tão esperada cura da AIDS, no entanto, empecilhos legais em diversas áreas do mundo, travam o progresso da humanidade terrestre.[4][5]
Incluem-se, em uso medicinal, a redução da pressão intraocular[carece de fontes], aumento de apetite e efeito antiemético, tratamento da esclerose amiotrófica e trauma raquimedular[carece de fontes], bem como qualquer enfermidade onde haja uma dor crônica.[carece de fontes]
Dois psiquiatras brasileiros, Dartiu Xavier e Eliseu Labigalini, fizeram uma experiência interessante. Incentivaram dependentes de crack a fumar maconha no processo de largar o vício. Resultado: 68% deles abandonaram o crack e, depois, pararam espontaneamente com a maconha, um índice altíssimo. Segundo eles, a maconha é um remédio feito sob medida para combater a dependência de crack e cocaína, porque estimula o apetite e combate a ansiedade, dois problemas sérios para cocainômanos. Dartiu e Eliseu pretendem continuar as pesquisas, mas estão com problemas para conseguir financiamento - dificilmente um órgão público investirá num trabalho que aposte nos benefícios da maconha.[6]

[editar]Negativos (Nem todos são comprovados cientificamente)


Muitas pessoas tem seu primeiro surto psicótico após o uso de maconha.[7] Usuários de maconha tem duas vezes mais chance de desenvolvem psicose (mas somente se tiverem predisposição genética[8]), sendo o risco maior quanto maior a dose e o tempo de uso.[9]
Alguns dos problemas de saúde associados com o uso de maconha são:
Alguns dos problemas estão especificamente associados com a ingestão de fumaça, podendo também estar associados ao tabaco utilizado junto com a maconha embaseados:

Durante a síndrome de abstinência os sintomas mais comuns são [24]:
As folhas, por sua plantação geralmente sendo feita sem regulamentos e higiene adequada, frequentemente estão contaminadas por fungos, bactérias e vírus alguns deles causando sérias infecções em seres humanos. Dentre as doenças causadas pelo consumo de folhas contaminadas estão[25]:
Diversos desses agentes infecciosos não são destruídos ao se fumar, sendo possível que a fumaça cause contaminações pulmonares.[26]
Um estudo publicado em 2010 no periódico Archives of General Psychiatry associa o consumo de maconha à psicose. Constatou-se que, entre jovens que fumam maconha há seis anos ou mais, o risco de alucinação ou delírios pode chegar a ser o dobro do verificado entre as pessoas que nunca consumiram a droga.[27]

Efeitos fisiológicos do alcoolismo

O consumo excessivo de álcool leva a uma degradação do etanol em etanal pelo fígado, fato que consome NAD+ formando NADH. Na segunda reação para a formação de acetato também há consumo de NAD+ e formação de NADH, dessa forma o ciclo de Krebs (dependente de NAD+) é diminuído pela falta de NAD+, aumentando portanto o metabolismo anaeróbico das células, o que irá produzir mais ácido lático no organismo. Esse excesso de ácido lático no organismo compete com a excreção de urato contribuindo para o aumento de ácido úrico no sangue, o qual irá precitar em articulações gerando uma doença conhecida como gota.
O conjunto de efeitos fisiológicos sentidos após excessivo consumo de álcool é conhecido como veisalgia, popularmente chamada de "ressaca".

Como o álcool prejudica o fígado? Editar


Fonte:http://www.portalsaofrancisco.com.br
Abel beigerAdicionada por Abel beiger

O fígado é um órgão biotransformador que realiza diversas funções indispensáveis á vida. Armazena e realoca nutrientes, modifica elementos tóxicos, forma diversas proteínas essenciais do sangue, entre outras coisas. Ele pode ser prejudicado do seguinte modo; como já foi mencionado, a metabolização do álcool é feita numa média de 10 gramas por hora, o que faz com que a degradação do álcool de 4 latas de cerveja, por exemplo, dure cerca de 5 horas. Neste ínterim o fígado diminui a realização de diversas ações fisiológicas para priorizar esta degradação. Acumula-se então muita gordura nas células hepáticas, que deveriam ser processadas e realocadas. Este acúmulo de gordura é chamado de esteatose hepática, que pode ser reversível com a abstinência. No entanto, o uso crônico do etanol mantém o nível de esteatose muito elevado, fazendo com que as células do fígado se rearranjem para dar espaço à gordura, mudando inclusive o citoesqueleto da célula, que são proteínas responsáveis pelo formato e sustentação celular. O fígado fica então mais volumoso, podendo muitas vezes ser palpado, situação não evidenciada num fígado normal.
Mas a influência direta do álcool é ainda mais nociva, levando há uma inflamação celular crônica, pois o etanol modifica diversas estruturas celulares, inclusive o citoesqueleto, já acima citado. Este processo é conhecido como hepatite, e neste estágio o indivíduo pode ter dores ou apenas um desconforto abdominal, náuseas, vômitos e falta de apetite. Contudo, muitas células não resistem e acabam morrendo. Para substituir este tecido, células do tecido conjuntivo acabam se formando. São células que possuem uma grande quantidade de colágeno e que darão um aspecto cicatricial ao tecido. Elas não possuem as funções das antigas células e tornarão o tecido hepático mais rígido. Esta nova etapa é chamada de Cirrose Hepática. Por estar o fígado neste momento com sua função extremamente deprimida, o indivíduo cirrótico pode evoluir para a morte.

O que ocorre com o coração? Editar

Apesar de o fígado ser geralmente o órgão mais lesado, é de problemas cardíacos que a maior parte dos alcoólatras morre. O álcool quando ingerido com moderação pode ser benéfico, pois evita a formação de placas de gordura nas artérias coronárias que irrigam o músculo cardíaco. Todavia, o oposto ocorre quando há uso nocivo do etanol, que pode lesionar diretamente as células cardíacas, agindo principalmente em suas membranas. O coração torna-se insuficiente e aumenta de tamanho. Além disso, a pressão arterial aumenta, exacerbando ainda mais o trabalho cardíaco. É bom lembrar, que a pressão arterial só diminui na ingestão aguda de álcool e não em longo prazo. O músculo cardíaco então a qualquer momento pode sofrer uma arritmia, onde as contrações não são mais efetivas para manter uma circulação mínima, levando o individuo a óbito.

E no sistema nervoso? Editar


Fonte:http://www.portalsaofrancisco.com.br
Abel beigerAdicionada por Abel beiger

Como o etanol age em muitos receptores de células neuronais, causando os muitos efeitos conhecidos, como a euforia e posteriormente a depressão, estes neurônios tendem a adaptar-se a influência crônica do álcool. Um exemplo é o GABA, um receptor que está envolvido na diminuição da excitabilidade nervosa e, por conseguinte, diminuindo as repostas e reflexos das mais variadas partes do corpo. Sabe-se que este receptor é um dos maiores alvos do álcool e que nos indivíduos alcoólatras, o GABA pode estar diminuído ou alterado, necessitando que tais indivíduos ingiram uma quantidade maior de álcool para produzir os mesmos efeitos que ocorrem num individuo abstêmio. Este processo é chamado de tolerância ao álcool e explica porque muitos indivíduos podem beber volumosas quantias de álcool e ainda parecerem sóbrios.
Até pouco tempo atrás, desconhecia a pequena, mais presente capacidade do tecido nervoso de regenerar-se. Estudos mostram que o álcool pode inibir tal processo, mas que pode ser revertida com abstenção da bebida. Outros malefícios do álcool concernem à cognição que pode estar bastante debilitada nos alcoólatras. Tais indivíduos podem sofrer com problemas de memória ou em casos mais graves até demência. Os nervos que estão espalhados pelo corpo também sofrem e a pessoa pode sentir dormência e formigamento.

Que outros orgãos ou partes do corpo podem também serem lesadas? Editar

São muitos os outros tecidos do corpo que podem sofrer pelo uso crônico do etanol. O estômago e o esôfago, por exemplo, por estarem constantemente sendo irritados por uma maior concentração de álcool podem ter seus tecidos inflamados, gerando gastrite e em alguns casos, câncer nestes locais. O álcool também tende a inflamar as células do pâncreas, permitindo que os alcoólatras tenham três vezes mais chances de adquirirem pancreatite aguda. Os alcoolistas ainda podem ter seu sistema imunológico debilitado, pois a produção no fígado e medula óssea das células e proteínas responsáveis pela defesa do organismo esta enfraquecida. E quem já possui um fígado cirrótico, pode sofrer de hemorragias constantes, pois haverá uma baixa quantidade de plaquetas.
Fonte: http://www.faqs.org/nutrition/
Abel beigerAdicionada por Abel beiger

Indivíduos cirróticos também podem ter sangramentos no esôfago, pois a circulação desvia seu curso do fígado que está rígido, para pequenas veias esofágicas, causando grandes varizes nesta região. É também imensamente comum nos alcoólatras uma audição danificada e com intenso zumbido. Já as gestantes que fazem uso abusivo de álcool podem ter seus filhos portadores da síndrome do álcool fetal, que traz como principais características a deformidade fácil e um cérebro de tamanho e funções reduzidas (veja a figura ao lado de uma criança portadora desta síndrome). Uma ingestão de mais de 8 doses de álcool por dia, pode elevar a chance de diversos cânceres em 5 vezes. Estas são apenas algumas manifestações já muito conhecidas oriundas do uso abusivo do etanol.
Mas talvez uma das coisas mais graves que até aqui não foi dito é que praticamente todo alcoólatra sofre de intensa desnutrição, isso porque o álcool desvia a absorção de diversos nutrientes. Além disso, o alcoólatra constantemente tem uma dieta diminuída, pois já recebe grande quantidade de energia proveniente do álcool. As vitaminas são as substâncias mais prejudicadas no etilista, principalmente as do complexo B. Estas deficiências geram distúrbios que podem agir isoladamente ou concomitante ao álcool em praticamente todo o corpo, inclusive o sistema nervoso, agravando o estado do alcoolista.

[editar]Alcool no sangue

Alcool no sangue
Alcool no sangue (gramas/litro)EstadosSintomas
0,1 a 0,3SobriedadeNenhuma influência aparente
0,3 a 0,9EuforiaPerda de eficiência, diminuição da atenção, julgamento e controle
0,9 a 1,8ExcitaçãoInstabilidade das emoções, descoordenação muscular. Menor inibição. Perda do julgamento crítico
1,8 a 2,7ConfusãoVertigens, desequilíbrio, dificuldade na fala e distúrbios da sensação.
2,7 a 4,0EstuporApatia e inércia geral. Vômitos, incontinência urinária e fezes.
4,0 a 5,0ComaInconsciência, anestesia. Morte
Acima de 5,0MorteParada respiratória


Riscos primários

Os principais maleficios à saúde relacionados ao tabagismo referem-se às doenças do sistema cardiovascular, sendo o tabagismo um fator de risco importante para infarto do miocárdio (ataque cardíaco), doenças do trato respiratório como a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) e enfisema, e câncer, particularmente câncer de pulmão e câncer de laringe e boca. Antes da Primeira Guerra Mundial, o câncer de pulmão era considerado uma doença rara, a qual a maioria dos médicos poderia jamais ver durante sua carreira profissional. Com o crescimento da popularidade do tabagismo após a guerra, houve um aumento epidêmico de câncer de pulmão.[2][3] e de100%
A incidência de impotência sexual é aproximadamente oitenta e cinco por cento maior em fumantes masculinos do que em não fumantes[4] e é uma causa importante de disfunção erétil[5][6]. O tabagismo leva à impotência por causar o estreitamento das artérias (do pênis e do corpo)[7].
As doenças relacionadas ao tabagismo matam quatrocentos e quarenta mil cidadãos estadunidenses por ano[8] e cerca de mil, duzentos e cinco por dia, fazendo com que o tabagismo seja a maior causa de morte capaz de ser prevenida nos Estados Unidos.
O risco aumentado da pessoa em contrair doenças é diretamente proporcional à duração do tempo em que a pessoa continua a fumar assim como à quantidade fumada. Entretanto, se alguém para de fumar, então estas chances diminuem gradualmente já que os danos ao corpo são reparados.
Doenças associadas ao tabagismo incluem:

Incidência de câncer de pulmão é altamente correlacionado com o tabagismo.
Fumantes de charuto e cachimbo tendem a inalar menos que os fumantes de cigarro; por conta disso, seu risco de cancro do pulmão é menor, mas ainda é várias vezes mais elevado do que o risco em não fumantes. Todos estes grupos sofrem o mesmo risco de cancros da cavidade oral: laringe ou esôfago, um risco que foi apenas uma hipótese, sem qualquer ligação entre fumar e o câncer, até ser provado cientificamente e pela cobertura da imprensa dos cancros relacionados com o tabaco de dois presidentes estadunidenses: Ulysses S. Grant morreu em 1885, aos sessenta e três anos, depois de uma longa e penosa batalha contra o cancro da garganta, assumindo-o como o resultado de seu hábito de fumar charuto. Grover Cleveland foi diagnosticado em 1893 com cancro da mandíbula esquerda, que era frequentemente visto pela imprensa e pelo público fumando charuto. Do mesmo modo, o cancro da boca e mandíbula é também um risco para quem masca tabaco. Os benefícios para quem para de fumar são imediatos: a pressão arterial, frequência cardíaca e a temperatura corporal retornam à faixa normal; o risco de ataque cardíaco diminui; a capacidade de sentir aroma e sabor é apurada e melhora a circulação.
É geralmente aceito que o grande fator motivacional por trás do tabaco é a nicotina que ele contém. No entanto, a prática de ingerir o fumo diretamente de sua folha gera uma enorme quantidade de compostos químicos ativos, agrupados como alcatrão, muitos deles são biologicamente reactivos e potencialmente perigosos à saúde. Mesmo grupos de tabaco considerados mais brandos são tambémcancerígenos, provavelmente porque compostos semelhantes são gerados para a cura do câncer; os nórdicos snus, utilizam vapor, portanto, são muito menos cancerígenos.) Existem cerca de três mil substâncias químicas encontradas no fumo do tabaco.
Exposição a longo prazo aos outros compostos na fumaça, como monóxido de carbonocianeto, e de outros compostos provocam danos no tecido arterial do pulmão, e se acredita que seja responsável pelos danos cardiovasculares e pela perda de elasticidade nos alvéolos, levando a enfisema e DPOC. Além disso, os cigarros contêm 19 agentes cancerígenos conhecidos.

[editar]Nicotina e vício

nicotina é um estimulante poderoso e é um dos principais fatores que levam ao consumo contínuo de tabaco. Embora a quantidade de nicotina inalada no fumo seja muito pequena (a maior parte da substância é destruída pelo calor), ela ainda é suficiente para causar dependência psicológica e/ou física. A quantidade de nicotina absorvida pelo corpo no tabagismo depende de diversos fatores, incluindo o tipo do tabaco, se a fumaça é inalada e se é usado um filtro.

[editar]Tabagismo de cigarro versus charuto

Há quem julgue o ato de fumar charutos menos danoso à saúde que fumar cigarros, devido ao fato do fumante de charutos não "tragar", ou seja, não inalar ativamente a fumaça.[1] Entretanto, as evidências científicas não corroboram esta ideia. Nos Estados Unidos da América, o Instituto Nacional do Câncer, divulgou , em 1998, que fumar charutos está associado a vários tipos de Câncer, incluindo tumores da cavidade oral (lábio, língua, bochechas, garganta), do esôfagolaringe e pulmão.[2] Este estudo levava em consideração pessoas que fumavam ao menos um charuto ao dia e afirmava que os riscos de fumar menos que diariamente não são conhecidos. Apesar do estudo mostrar que a maioria dos fumantes de charutos não inalarem ativamente a fumaça, alguns, principalmente ex-fumantes de cigarrros, o fazem [3] ,sendo assim o risco igual ao de fumantes de cigarros. No caso de fumantes passivos, a grande quantidade de fumaça produzida por charutos, principalmente em ambientes fechados e ou quando vários fumantes se congregam, é mais que suficiente para afetar a saúde de quem permanecer nestes ambientes. Este estudo do Instituto Nacional do Câncer foi criticado por defensores do charuto, alegando uso indevido das estatísticas.[4]

[editar]Tabagismo e doenças cardiovasculares

O tabaco provoca o amarelecimento dos dentes, por via da nicotina. Provoca cancro da boca, da língua, do esôfago, da faringe e da laringe, além de provocar a insuficiência respiratória forçando o coração a bater mais rapidamente para maior captação de oxigênio diminuindo assim sua vida útil.

[editar]Epidemiologia do tabagismo

[editar]Efeitos físicos e psicológicos em fumantes

[editar]Tabaco e reprodução

O tabaco provoca infertilidade,problemas de erecção nos homens e aborto espontâneo no caso das mulheres.

[editar]Efeitos do tabagismo nas células espermáticas

Existem cada vez mais evidências de que os compostos danosos do tabagismo matam células espermáticas (os espermatozóides).[15][16] Desta maneira, alguns governos exigem que os fabricantes coloquem avisos em suas embalagens.

[editar]Síndrome da morte súbita infantil

O tabagismo passivo está relacionado à Síndrome da Morte Súbita Infantil.
A Síndrome da Morte Súbita Infantil ocorre quando na há explicação de como um bebê faleceu mesmo tendo feito autópsia e com investigação. Também podemos chamar esta Síndrome de morte de berço, pois ela acontece enquanto os bebês dormem durante a noite ou estão cochilando durante o dia, e ela que por sua vez vem sendo a maior causa de mortes entre os bebês. Normalmente o bebê que morre devido à síndrome morre antes de completar os seus quatro meses de vida ou durante esse período e as estações onde mais ocorre este tipo de morte é no outono, inverno e geralmente no início da primavera.
O porquê isto ocorre ninguém sabe exatamente, o que os médicos e pesquisadores dizem é que isto acontece devido a uma série de fatores, entre elas podem estar irregularidade no batimento cardíaco de uma criança, um distúrbio metabólico, entre outros fatores, esses são apenas alguns. Esses fatores e ainda o modo de como a criança dorme de bruços e inala muita fumaça de cigarro, ou pegar uma doença respiratória, ou seja, inala muito dióxido de carbono ela tem mais chances de ser vitima da SMSI.
Como realizadas em pesquisas quando o bebê apresenta defeito no cérebro a maioria deles apresentam anomalias no seu tronco cerebral, as vezes o bebê até percebe o que está se passando, mas pode não ter mecanismos de proteção para que isso não ocorra. No caso de um distúrbio metabólico eles não produzem a quantidade de ácidos graxos da maneira necessária e um possível acumulo desses ácidos poderia evitar que ocorra a síndrome. O favorecimento disto se dá através da criança dormir em colchões macios, se o bebê for prematuro, se ficar exposto a fumaças, entre outros. Alguma dica para sempre proteger o seu bebê é o deixar dormir sempre de costas e a temperatura do quarto não muito aquecida se o clima estiver bom, entre muitas outras.

[editar]Efeitos benéficos de fumar

Ao tabaco já foram atribuídos possíveis efeitos benéficos sobre certas condições, presumivelmente devido aos efeitos da Nicotina sobre o sistema nervoso. Alguns estudos demonstraram que a incidência de tabagismo em pacientes que desenvolveram o Mal de Alzheimer é menor que na população em geral, o que foi interpretado como uma possível proteção que o tabagismo traria contra a doença. Entretanto, a pesquisa sobre o assunto é limitada e os resultados controversos. Alguns estudos demonstram que fumar aumenta o risco de desenvolver o mal de Alzheimer. Revisões recentes sobre a literatura científica disponível concluíram que a aparente menor incidência do Mal de Alzheimer entre tabagistas deve-se ao fato de que fumantes tendem a morrer antes de atingirem a idade de desenvolverem a doença. A mortalidade precoce é um problema encontrado nas pesquisas que pretendem investigar os efeitos do tabagismo em doenças de acometimento tardio, após os 75 anos de idade, como é o caso do Mal de Alzheimer já que o número de fumantes que atingem a idade de 80 anos é 50% menor que não fumantes..[17]
Alguns estudos sugerem que o tabagismo está associado a menor incidência de:
  • Doença de Parkinson,[18][19], embora os autores sustentem que as desordens de movimento próprias da doença impedem as pessoas de fumar.
  • Colite ulcerativa.[20], embora aumente o risco de Doença de Crohn.
  • Sarcoma de Kaposi[21]..
  • Há alguma evidência de menor incidência de Endometriose em mulheres inférteis [22] enquanto alguns estudos apontam incidência maior em tabagistas.[23] Não há evidências de efeito protetor em mulheres férteis.
  • Evidência inconsistente de menor incidência de Mioma uterino em fumantes.,[24].[25]
  • Evidência limitada de menor incidência de Doença hipertensiva específica da gravidez, em fumantes.,[26] Evidência invalidada em gestações gemelares.[27] Fumar, com certeza, trás riscos graves à saúde da gestante e do concepto.[28]
No caso da Esquizofrenia, muitos pacientes esquizofrênicos utilizam o fumo como uma forma de auto-medicação contra a ansiedade..

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário